Quem somos - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Fraternidade Sagrado Coração de Jesus

Rua Montecaseros, 95
CEP. 25685-000
Petrópolis – RJ
Tel. (24)  2242-6915
E-mail: parsagrado@uol.com.br
Facebook: http://bit.ly/sagpetr

Diocese de Petrópolis

A FRATERNIDADE:

Frei Jorge Paulo Schiavini: guardião, vice-mestre e vigário paroquial
Frei Luiz Flavio Adami Loureiro: vigário casa, vigário paroquial e ecônomo
Frei Almir Ribeiro Guimarães: vigário paroquial e assist. OFS
Frei Abílio Amaral Antunes: vigário paroquial
Frei Edrian Josué Pasini: a serviço da Comunicação – Vozes
Frei Francisco Morás: a serviço da Comunicação – Vozes e vigário paroquial
Frei Gentil Avelino Titton: a serviço da Comunicação – Vozes
Frei James Luiz Girardi: pároco e animador JPIC provincial
Frei José Ariovaldo da Silva: professor e vigário paroquial
Frei José Clemente Schfaschek: vigário paroquial
Frei Lauro Both: organeiro
Frei Marcos A. de Andrade: mestre e professor
Frei Volney J. Berkenbrock: professor, a serviço da Comunicação – Vozes, vigário paroquial e coordenador do departamento de Patrimônio
Frei Alan Leal de Mattos: estudante
Frei Alfredo Epalanga Prego: estudante (FIMDA)
Frei André L. do N. Souza: estudante (7 Alegrias N. Sra)
Frei Canga Manuel Mazoa: estudante (FIMDA)
Frei Erisclei da Silva: estudante (S. Benedito da Amazônia)
Frei Gabriel Dellandrea: estudante e animador do SAV local e regional
Frei Hugo Câmara dos Santos: estudante
Frei Jefferson D. S. Ferreira: estudante (7 Alegrias N. Sra)
Frei Jorge H. L. Camargo: estudante (7 Alegrias N. Sra)
Frei Josemberg Cardozo Aranha: estudante
Frei Junior Mendes: estudante
Frei Marcos Schwengber: estudante
Frei Mário Sampaio Pelu: estudante (FIMDA)
Frei Pedro R. P. da Silva: estudante (7 Alegrias N. Sra)
Frei Raoul A. Bentes: estudante (S. Benedito da Amazônia)
Frei Roger Strapazzon: estudante

PADROEIRO
Sagrado Coração de Jesus

EXPEDIENTE:

Secretaria:

Segunda a sexta: 8h às 18h
Sábado: 8h às 12h

Missas:

Sábados – 7h e 16h15
Domingos: 7h, 8h30, 10h, 18h e 19h30
Segunda, quarta, quinta e sexta-feira – 7h e 18h
Na última segunda do mês: 19h30
Na primeira sexta-feira do mês: 15h
Na última quinta-feira do mês: 15h (com distribuição das pílulas de Frei Galvão)

Missas fixas em Capelanias:

Sábado – 18h e 19h
Domingo – 11h
Segunda e sexta-feira – 7h e 18h

Confissões:

Segunda a sábado – 8h às 11h e das 14h às 17h e meia hora antes de cada missa

HISTÓRIA

Mais de 130 anos de história em Petrópolis

No centenário, em 1974, um livreto comemorativo, escrito por Frei Clarêncio Neotti, ofm, encontra-se o seguinte: No dia 8 de setembro de 1974, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus completou cem anos de existência. Citou os Alemães em Petrópolis, a inauguração, o tempo intermediário, os franciscanos, o relógio da torre, as outras reformas da igreja, a Igreja Paroquial e uma conclusão, ao final do trabalho, cuja impressão foi encomendada à Editora Vozes, tradicional empresa petropolitana, ligada à comunidade franciscana.

Segundo Frei Clarêncio Neotti, “a igreja do Sagrado Coração de Jesus, núcleo central do que hoje o povo costuma chamar de “O Sagrado”, foi construída em menos de um ano e meio e não teve a solidez das igrejas de pedras que costumam atravessar incólumes os séculos. As muitas reformas porque passou não significaram caprichos pessoais ou moda, mas necessidade de conservação. Hoje, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em seu interior, é bem diferente de há 50 anos, de há 100 e de a 130 anos. Da igreja original sobram as duas paredes laterais e, ainda assim, com remanejamentos das janelas e dos próprios vãos das janelas. Prestar-lhe uma homenagem pelo centenário é mais recordar, sem saudosismos, a intrepidez dos que fizeram, os altos ideais que sempre guiaram seus vigários e a espetacular, ininterrupta e rara folha de serviços que esta igreja prestou à comunidade alemã, à comunidade petropolitana e, pelas ligações com o convento franciscano, à comunidade brasileira”.

Frei Augusto Koenig, ofm, diz no ano de 1989, por ocasião dos seus 115 anos: “A igreja do Sagrado Coração de Jesus tem sua origem intimamente ligada à própria história da cidade de Petrópolis, quando em 1837 aqui chegaram os primeiros imigrantes alemães, seguidos depois por outras levas de colonos a partir de 1845. Estavam lançados os fundamentos da nossa cidade e o Major Koeler, oficial alemão a serviço do Governo Imperial desde 1833, nomeado Diretor da nascente colônia, iniciou a construção do Palácio Imperial, em torno do qual se agrupavam as construções coloniais; Petrópolis era então chamada Fazenda do Córrego Seco, propriedade da família imperial. Até 1846, a Colônia era dependente de São José do Rio Preto no atendimento religioso. Nessa data, a colônia foi elevada a Paróquia, sob a invocação de São Pedro de Alcântara.

Quanto aos colonos evangélicos, que constituíam um terço da Colônia, providenciara o governo que não lhes faltasse pastor de língua alemã; os católicos ficaram sob a jurisdição do Vigário da Paróquia de São Pedro de Alcântara. Embora considerados brasileiros, todos falavam o alemão, de modo que se tornava difícil fazerem-se compreender por um sacerdote que não lhes soubesse falar em sua língua materna. Esta situação perdurou por uns 20 anos, quando, a convite, aqui chegou Pe. Theodoro Esch. Fundou logo uma escola para as crianças, filhas dos colonos, e uma sociedade de canto. Surgia cada vez mais forte a ideia da construção de uma igreja própria, para a comunidade alemã. Depois de muitas negociações e da interferência do Imperador, decidiu-se à municipalidade a conceder para a edificação da igreja o terreno ocupado pelo cemitério municipal. O projeto foi elaborado pelo Sr. Schimitz e encarregado das obras o construtor Sr. Carlos Kling. A Colônia toda fez donativos para a construção. Em menos de dois anos estava edificada a Capela da Comunidade católica alemã, dedicada ao Sagrado Coração de Jesus.

Quanto ao estilo, aproximava-se em suas linhas gerais do gótico. Foi inaugurada na data de 8 de setembro de 1874. Posteriormente veio a sofrer diversas reformas e ampliações. Em 1888, o Pe. Esch voltava para a Alemanha. Mons. João Batista Guidi dava então assistência à Capela, nos finais de semana. Com a chegada dos religiosos franciscanos ao Brasil, vindos da Alemanha para a “Restauração” das Províncias Franciscanas, Mons. Guidi vislumbrou a possibilidade de esses religiosos assumirem os cuidados pastorais da Capela do Sagrado Coração de Jesus. Os Franciscanos aceitaram em 1896. A partir desse tempo foi construído o convento, fundada uma escola – hoje Escola gratuita São José – para os meninos pobres e uma tipografia – Editora Vozes. Tornou-se sede paroquial somente em 1946.

Em comemoração aos 115 anos da bênção da primeira Capela, o atual Pároco Frei Augusto Koenig lança uma campanha entre os paroquianos e a população, a fim de angariar fundos para a restauração e pintura do prédio, já em andamento. A igreja do Sagrado tem cumprido ao longo da história a missão de centro evangelizador. Foi à sua sombra que a Editora Vozes cresceu. É no seu recinto que se abriga o coral dos Meninos Cantores de Petrópolis, os Canarinhos. É ao seu redor que hoje se reúnem 23 comunidades eclesiais, formando a Igreja viva nos desafios dos tempos modernos”.

O conjunto arquitetônico do Sagrado Coração de Jesus é um patrimônio tombado em nível municipal e estadual, sendo assim de grande relevância. Sua conservação e manutenção requerem grande esforço e responsabilidade.

Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download
download karbonn firmware
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course